Entendendo as Pseudo-URLs

Atualmente, visando o controle de qualidade, o Time Brasileiro de Tradutores Debian, assim como outros que fazem parte da Força Tarefa de Internacionalização do Debian, vem adotando um processo com base em um formato padrão. Tal formato possibilita a coleta e geração de informações sobre o estado das traduções para pt_BR, com a utilização da nomenclatura de "TAGs" no assunto dos e-mails enviados para a lista de discussão debian-l10n-portuguese. Esta nomenclatura é comumente conhecia como pseudo-url, cujos detalhes seguem abaixo.

Existe um programa (robô) que acompanha a lista debian-l10n-portuguese e compreende pseudo-urls no assunto. Uma pseudo-url tem o seguinte formato:

        [<estado>] <tipo>://<pacote>/<arquivo>

O estado pode ser um dos seguintes:

tipo pode ser qualquer coisa indicando o tipo de documento, como por exemplo: po-debconf, debian-installer, po, man ou wml (webwml está depreciado, wml deve ser utilizado).

pacote é o nome do pacote de onde vem o documento. Por favor use www.debian.org para arquivos wml do CVS do site do Debian.

arquivo é o nome do arquivo do documento, pode conter outra informação como o caminho par ao arquivo ou a seção para a página de manual, assim nenhum outro documento no mesmo pacote será referenciado da mesma maneira.

A estrutura do nome depende da escolha do tipo. Em princípio é apenas um identificador, mas é fortemente recomendado seguir as seguintes regras:

Basicamente, você envia um ITT pra registrar no que vai trabalhar, fique atento para o formato da pseudo-url. Quando estiver com a tradução pronta, responda o seu próprio ITT e altere o "assunto" da mensagem para RFR. Alguém vai revisar o seu trabalho, vocês vão chegar a um consenso, essa é a hora de mudar o assunto para um LCFC, após algum tempo sem comentários é hora de mandar sua tradução para o BTS.

Note que a "pseudo-url" se mantém a mesma, mudando apenas a TAG inicial. Não troque a TAG nem o formato dela, senão o robô não entenderá. Mantenha-se fiel ao formato, seja cuidadoso com o nome do pacote. Se houver muitas modificações entre um RFR e um LCFC você pode registrar um RFR2, mas ficamos por aí, sem RFR3 ou RFR4.

O estado do BTS é algo especial, é utilizado para registrar o número do BUG. Assim, o l10n-bot pode rastrear o estado da tradução desde que você envie para o BTS. Diariamente ele irá verificar se um bug aberto foi fechado. Um exemplo desse comando é:

        [BTS#1234] po-debconf://cups/pt_BR.po

Se você tem intenção de traduzir vários pacotes, você pode fazer ITT para todos de uma só vez. Um exemplo:

        [ITT] po-debconf://{cups,courier,apache}/pt_BR.po

Coloque os pacotes entre chaves e separados por vírgulas. Sem espaços extras!

Detalhes importantes ao realizar uma tradução

Sobre a tradução especificamente, independente do arquivo, mantenha as linhas com até 80 colunas, alguns de nós trabalha no terminal em servidores remotos via SSH e não é legal ter linhas quebradas. Teste seus potfiles usando:

$ msgfmt -c -v -o /dev/null <arquivo.po>

Se for um po-debconf, teste também com:

$ podebconf-display-po <arquivo.po>

Fique atento com a codificação do arquivo, pois usamos UTF-8 tanto para o site quanto para os po-debconf e demais POs. Preencha os arquivos com todos os cabeçalhos necessários, se tiver dúvidas não hesite em perguntar na lista de discussão.

Não existe TIMEOUT para traduções, ou seja, você tem que aguardar uma revisão acontecer, elas podem demorar ou podem ser bem rápidas, depende da disponibilidade do pessoal da equipe.

Nas primeiras vezes, comece devagar, um ou dois arquivos, para evitar vários erros iguais em vários arquivos. Na primeira vez que for reportar o bug, mande o modelo para a l10n-portuguese primeiro para que possamos revisar e mandar ele pronto pro mantenedor.

Se estiver atualizando uma tradução, mande o arquivo original, o diff e o seu arquivo traduzido. Se estiver fazendo uma nova tradução, mande essa informação no e-mail.


CategoryTraduzir

DebianBrasil: Traduzir/Pseudo-urls (last edited 2013-03-20 14:10:24 by MarceloSantana)